Poema de Estar na Praia

by cidadão josé

Estou na praia.
Estou na praia e vou escrever um poema de estar na praia.
Um poema de estar na praia começa com os pés na areia.
Os pés na areia e a caneta no papel.
O vento no rosto.
No rosto e no caderno, com o vento a querer virar as páginas como um gaiato parvo.
É preciso segurar bem o caderno para contrariar o vento, dobrá-lo pela lombada, a mão, esquerda, em pinça.
Fico assim preparado para escrever um poema de estar na praia.
Os pés na areia.
A caneta no papel.
O caderno seguro contra o vento.
E um chapéu na cabeça, como a pala de um beiral sobre os olhos, a fintar o sol do Sul, inchado de tanto Verão.
Acho que agora é que é o poema de estar na praia com os pés na areia.
Depois dos pés, o mar.
Dos pés e da toalha que a maré sobe e a onda trepa sobre a toalha desprevenida.
Levar tudo mais para cima, torcer a toalha, voltar ao caderno, dobrá-lo contra o vento, a caneta sobre o papel, os pés na areia, escrever:

Poema de Estar na Praia

14089307_673336152823720_2098409561819518861_n

Anúncios